Serviços - Dr. Eduardo Mitsugu Otani - Hospital Santa Maria de Goioerê.

Serviços

Endoscopia Digestiva Alta

Serviço: Endoscopia Digestiva Alta
A endoscopia digestiva alta é um exame que analisa a mucosa do esôfago, estômago e primeira parte do intestino delgado. Ele é feito usando um tubo sensível (endoscópio) que tem na ponta um chip responsável por capturar as imagens do sistema digestivo, como uma câmera. 
A endoscopia digestiva alta é solicitada pelo médico se você apresentar um ou mais sintomas no aparelho digestivo, que podem ser novos ou então que não estão respondendo ao tratamento inicial. Alguns exemplos são:   
- Sentir-se satisfeito mais cedo do que o normal ou depois de comer menos do que o habitual 
- Sentir que a comida está presa atrás do esterno (osso localizado no tórax) 
- Fezes negras 
- Vômito com sangue 
- Azia ? Baixa contagem de hemácias (anemia), que não pode ser explicada 
- Dor ou desconforto na parte superior do abdômen 
- Problemas de deglutição ou dor ao engolir 
- Perda de peso que não pode ser explicada 
- Náuseas e vômitos que não passam
O exame também é indicado para a pesquisa do Helicobacter pylori, bactéria responsável pela maioria das úlceras e muitos casos de inflamação do estômago (gastrite crônica). 
A endoscopia digestiva alta ajuda a identificar doenças como gastrite e refluxo. A endoscopia digestiva alta também pode ser usada como procedimento terapêutico, uma vez que é considerado um método minimamente invasivo e não requer incisões na região abdominal. 
Também é usada para a realização de biopsias da mucosa gástrica e coletas de material para cultura. 
Como é feita a endoscopia gástrica alta:
É aplicado um sedativo intravenoso e uma anestesia local na garganta com xilocaína, que é opcional e borrifada pela cavidade bucal apenas para impedir tosse ou engasgos. Por conta da sedação, o paciente não sente nenhuma dor e nem se lembra do procedimento. Um protetor de boca será inserido para proteger seus dentes do endoscópio. Na maioria dos casos, uma agulha será inserida numa veia do braço para o paciente ser medicado durante o procedimento. 
Depois que os sedativos fizerem efeito, o endoscópio é inserido através do esôfago no estômago e no duodeno. O chip captura as imagens que são transmitidas para uma máquina processadora, que exibe as imagens por uma tela em tempo real. O revestimento do duodeno, esôfago, estômago e intestino superior é examinado. Além de capturar imagens, o exame de endoscopia também é usado para realizar biópsias. Após o teste ser concluído, você não será capaz de comer ou beber até que a sedação e anestesia percam o efeito. 
Tempo de duração da endoscopia digestiva alta:
A endoscopia digestiva alta dura cerca de 5 a 20 minutos, dependendo da área a ser analisada.                 Pré-requisitos para fazer o exame:
É necessário ficar em jejum absoluto durante 8h horas antes da endoscopia e assinar um termo de consentimento. É de extrema importância que o paciente esteja acompanhado de um adulto, pois com a sedação ele poderá precisar de ajuda para se locomover após o exame. Em alguns casos, o médico pode orientar o paciente a cessar o uso de medicamentos que diluem o sangue, como aspirinas, dias antes do exame. 
Periodicidade do exame:
A endoscopia pode ser feito apenas uma vez ou com uma periodicidade determinada pelo médico, para fins de acompanhamento de uma doença instalada ou para verificar o andamento de um tratamento. 
Recomendações pós-exame:
Por conta da sedação, o paciente não poderá fazer qualquer atividade que exija muita concentração, como trabalhar ou dirigir. O ideal é que ele saia do hospital e fique em casa, em repouso, até o efeito do sedativo cessar completamente.
Contraindicações da endoscopia digestiva alta:
Não existem contraindicações muito severas para a endoscopia, mas alguns cuidados a mais devem ser tomados em pessoas que tem problemas cardíacos, respiratórios ou neurológicos, além de pacientes com alergia a medicações. Se estiver em qualquer uma dessas situações, deve avisar o médico antes de marcar o exame.
O risco de alguma complicação acontece, no entanto, é de menos de 1 em 1.000 pessoas.
Possíveis efeitos colaterais:
O anestésico local usado na endoscopia deixa o paciente com dificuldades para engolir, sintoma que deve desaparecer depois que passado o efeito. O endoscópio pode causar ânsia de vômito e o paciente pode sentir o movimento do escopo em seu abdômen. Por causa da sedação, o paciente não ter qualquer memória do exame. Quando o paciente acorda, pode sentir um pouco inchado por conta do ar que foi colocado em seu corpo através do endoscópio, mas esse sintoma também tende a desaparecer rapidamente. 
Por ser um procedimento no qual o resultado é mostrado ao vivo, o endoscopista pode identificar na hora qual o possível problema e já indicar tratamento, ou então gravar e imprimir algumas imagens e o laudo médico para ser encaminhado a outro médico. Qualquer alteração na cor ou textura da mucosa ou mesmo presença de sangramentos indicam um problema. 
Resultados normais:
O esôfago, estômago e duodeno devem apresentar uma cor rosada e textura suave e uniforme. Não deve haver nenhum sangramento, tumores, úlceras ou inflamação.
A endoscopia gástrica alta pode indicar uma série de doenças, entre as quais estão:
- Doença celíaca
- Varizes esofágicas (veias inchadas no revestimento do esôfago causada por cirrose hepática)
- Esofagite (quando o revestimento do esôfago torna-se inflamada ou inchada)
- Gastrite
- Doença do refluxo gastroesofágico
- Estreitamento do esôfago
- Tumores ou câncer no esôfago, estômago ou duodeno (primeira parte do intestino delgado)
- Úlceras gástricas
- Úlceras duodenais (intestino delgado)
- Esôfago de Barrett

Dr. Eduardo M. Otani - Hospital Santa Maria de Goioerê - Fone: (44) 3522-1144.

Secondata